Isophós - Nutrição Animal
 Menu Principal
 Nossos Produtos

Artigos : Aborto em vacas Leiteiras
19/07

30% de todas as mortes ocorrem nas primeiras semanas de gravides. O sucesso na inseminação de um óvulo feminino não dá nenhuma garantia ao produtor do nascimento de uma terneira. Durante o período de gravides podem ocorrer problemas que causam a morte do embrião ou do feto. Quais as causas e os cuidados que devemos ter para evitá-lo são os assuntos deste informativo.



O nascimento de uma terneira inicia com a inseminação, que deve ser realizada no momento exato do cio, obtendo-se assim uma cobertura exitosa. O óvulo foi fertilizado e esperamos que uma nova vaca esteja para nascer. Logo em seguida, começa a primeira, e mais delicada, fase da gestação. Ela ocorre no período em que a união entre o embrião e o útero ainda é muito fraca e dura aproximadamente um mês. Neste período ocorre 30% das mortes dos embriões, sendo os machos mais atingidos do que as fêmeas. Esta morte dos embriões, na maioria das vezes, não é percebida pelo produtor. Quando o embrião morre antes do 12º dia o cio não é interrompido. A vaca entrará em cio com um intervalo de 21 dias e não se consegue saber se houve a cobertura e o embrião morreu ou se não houve a fertilização. O contrário ocorre quando o embrião morre após o 13º dia. Neste caso, constatamos que há o prolongamento do intervalo do cio (além do período normal de 18 a 23 dias) isto é o cio volta a ocorrer com um intervalo maior. O embrião morto neste primeiro mês é, normalmente, absorvido pelo organismo da vaca.

UMA GRANDE PARTE DAS MORTES DE EMBRIÕES QUE OCORREM NO PRIMEIRO PERÍODO DE GESTAÇÃO, TEM COMO CAUSA A INSEMINAÇÃO ANTES DOS 60 DIAS APÓS O PARTO.

Pesquisas mostram que 41% das vacas que foram inseminadas 30 a 60 dias, após o parto ou seja, onde o intervalo entre partos é menor que 350 dias, perdem o embrião no primeiro mês. Ocorrendo a inseminação 85 dias após o parto (período entre partos de 365 dias) este percentual baixa para 12%.

O motivo da morte prematura dos embriões é muito variável. Entre doenças de origem orgânica, problemas hereditários, aparecem principalmente, infeções e deficiências nutricionais. Embriões de vacas velhas ou vacas consangüíneas, apresentam mais freqüentemente, morte no primeiro mês. A morte do embrião pode também ser entendida como uma garantia de sobrevivência da vaca pela prematura eliminação de uma espécie de corpo estranho.



IMPORTANTES CUIDADOS QUE DEVEM SER OBSERVADOS APÓS A 10º SEMANA

Quanto mais o feto estiver preso no útero, mais segura é sua sobrevivência, isto quando se evita as infeções. Ocorrendo a morte do feto depois da 10º semana (ocorre em 5 a 6% dos casos) ele normalmente não é absorvido pelo organismo. Quando o corpo amarelo continua atuando e o feto morre, várias situações podem acontecer. Uma situação ocorre no 2º ou 3º terço da gravides. O feto morto perde água, absorve sais de cálcio e toma uma forma de múmia. A mumificação pode, também, ocorrer alguns meses mais tarde. A múmia do feto pode permanecer diferentes tempos no útero. Com o nascimento de gêmeos pode ocorrer de nascer um terneiro são e uma múmia de feto. Quando permanece somente o feto mumificado ele pode ser expelido durante os sintomas do cio. Uma outra situação ocorre quando há a masseração do feto. Neste caso as partes moles do feto se desmancham, permanecendo os ossos inteiros. Em alguns casos pode-se notar que houve a masseração pelo líquido purulento que sai da vagina junto com ossos. A vaca-mãe, neste caso, corre perigo de machucar os órgãos internos com os ossos soltos. Num estado avançado de masseração poderá haver a produção de gás, pôr microorganismos e também perigo de vida pelo envenenamento do sangue. Entre mumificação e masseração o feto após a 8º semana pode ser imediatamente abortado.



EXISTEM DIFERENTES CAUSAS

Uma causa para a ocorrência de aborto é a produção errada dos hormônios que dirigem a gravides. Este problema dos hormônios pode ter como causa a alimentação (grandes quantidades de alimentos que contenham alta concentração de estrogênio, como pode acontecer com o trevo vermelho, trevo subterrâneo, alfafa) ou algum problema do metabolismo de absorção. Também, após uma cesariana, pôr problemas de cicatrização, podem ocorrer abortos. O diagnóstico de prenhes por toque retal mal feito, pode ter como conseqüência o esmagamento do corpo amarelo ou do embrião que levam ao aborto. Principalmente exames feito muito cedo (antes de seis semanas) põem em risco o início da gravides. A movimentação excessiva de vacas prenhes, o calor e o mormaço ou o transporte inadequado aumentam bastante o risco de aborto. Também podem as pancadas, sustos, quedas e escorregões ser motivo para aborto. Nestes casos existe sempre um tempo determinado entre a causa e o aborto. Depois de um ou mais dias o feto se desprende do útero e é expelido pela vagina.

Com relação aos medicamentos que causam aborto temos pôr exemplo as prostaglandinas que é um sintonizador de cio. Existem, também alguns vermífugos que podem causar aborto como um efeito secundário e não devem ser usados no período de gravides. (Veja Produtos que podem causar aborto).



PRODUTOS QUE PODEM CAUSAR ABORTO

1 - MEDICAMENTOS

* Acetilcolina
* Analgésicos fortes
* Arecolina
* Carrapaticidas
* Clucocorticoides
* Corticosteróides
* Erfotamina
* Estrógenos
* Grandes infusões intravenosa nos últimos meses de gestação
* Oxitocina
* Pilocarpina
* Prostaglandina
* Purgantes salinos (sulfato de sódio, sulfato de magnésio)
* Sulfato de atropina
* Vermífugos

2 - PLANTAS

* Anileira, Anil - Indigofera suffruticosa
* Jaborandi, Cutia - Pilocarpus pinnatifolius
* Mamona, Rícino - Ricinus communis
* Timbó, Maria Preta, Cinamomo Bravo - Ateleia glazioviana

3- OUTROS PRODUTOS

* Ácido prússico do sorgo
* Aflatoxinas - fungos Aspergillus flavus e Aspergillus parasiticus
* Alimento atacado pôr fungos ou estragado
* Cevada fermentada (azeda)
* Consumo exagerado de leguminosas
* Ergotismo - fungo Claviceps purpurea
* Nitratos e Nitritos
* Silagem estragada
* Trevos muito passados, queimados pôr geada ou fermentados
* Uréia mal dosada
* Veneno de cobra (principalmente cascavel)

Existem outras causas que levam ao aborto e não são infeciosas como pôr exemplo grande perda de sangue e dispepsia (má digestão) que através das diarréias, dores e coligas causam o aborto. Alguns dos sintomas acima podem, também, ser o anúncio de uma infeção.



ABORTOS INFECIOSOS

Como microorganismos que causam aborto nos bovinos podemos citar, pôr exemplo, as Salmonelas. Na prática elas aparecem junto com os sintomas de diarréia. Muitos destes microorganismos atacam os bovinos quando os estábulos não são mantidos com uma boa higiene. Na 2º metade da gravides podem ocorrer Micoses. Provocam as micoses os fungos Aspergillus ou o fermento Candida, que se criam em fenos e palhas mofadas. A infeção, também pode ocorrer através do ar ou de alimentos estragados. Outro meio de contaminação são as camas de palhas mofadas e contaminadas pôr fungos. As silagens estragadas, com um ph superior a 5 podem causar aborto nas vacas entre o 4º e 7º mes de gestação. Nestes casos suspeita-se que a infeção foi causada pôr uma Listeriose. A Listeriose aparece mais no outono/inverno quando silagem estragada é fornecida as vacas. Outras causas de aborto, como a brucelose diminuíram de importância nos últimos anos.

A causa de aborto mais atual é um vírus que se chama VÍRUS DA DIARRÉIA BOVINA (VDB) ou seja em bom português o vírus causador da diarréia. Existem, atualmente, indicações que dão o VDB como a principal causa de aborto em bovinos. A principal ação contra este vírus é a seleção de animais isentos. Os sinais a seguir podem ser um indicativo de existência de VDB no rebanho:

* Aumento de vacas em anestro
* Indicação de vírus no feto e na vaca-mãe
* Existência de anticorpos no rebanho
* Nascimento de terneiras muito fracas ou deformadas

A segunda causa de aborto mais atual é a NEOSPOROSE. Esta doença que tem como agente o bacilo Neospora caninum, pode como o próprio nome diz atacar os cachorros. A origem e o contaminador desta infeção são desconhecidos. A neosporose está ocorrendo, também em outros países. No oeste dos Estados Unidos foi diagnosticado neosporose em 28% dos fetos. Em propriedades onde está ocorrendo casos de aborto deve-se mandar examinar os fetos contra neosporose, mesmo quando o aborto ocorrer antes do 3º mês de gravides. Outras importantes causas de aborto são a Rinotraqueite Infeciosa Bovina – Vulvovaginite Granular (IBR – IPV) e o Aborto Bovino Epidêmico (Chlamydien) assim como a Coxiella burnetii, sendo que os dois últimos bacilos podem inclusive contaminar as pessoas. A Leptospirose causa aborto em 20 a 40% das vacas quando a infeção se processa no último trimestre da gestação Neste caso a solução do problema é a identificação dos sorotipos presentes e o uso de imunógenos específicos. A vacinação sistemática reduz a freqüência do problema. Em todos os casos deve-se, inicialmente, procurar a causa do aborto nos agentes infeciosos, dando negativo procurar nas causas não infeciosas. Fetos abortados para serem remetidos para exame não devem ser congelados mas sim resfriados.


Página de impressão amigável Enviar esta história par aum amigo Criar um arquvo PDF do artigo
Isophós Nutrição Animal      Av: Dr.Cenobelino de Barros Serra 884     São José do Rio Preto - SP       Fone: (17) 3212-5051 ###      entrar
Copyright © 2006 Isophós Nutrição Animal Ltda.
Todos os Direitos Reservados.
Add to Google Translate to English
Desenvolvido por ABNEXO